a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

17/09/2018

Rinoceronte

Há dias almocei na Mensagem. Ao primeiro embate, e o primeiro embate encontra-me sempre em modo automático, invoquei Fernando Pessoa ali para os fundos do subconsciente. Mensagem, Fernando Pessoa. Mantive-me assim enquanto escolhíamos a mesa e decidíamos sentar dentro e não fora, na esplanada. Éramos quatro (e ainda somos se nos tornarmos a juntar as mesmas). Depois, num continuar, é que vi o Rinoceronte. Aliás meio Rinoceronte, que o resto não cabia em lado nenhum. Nem no vidro à entrada da cafetaria - Mensagem é o nome de uma cafetaria que parece um restaurante - nem na capa do menu, nem no seu verso nem onde quer que fosse que ele aparecesse, o Rinoceronte era só a metade (da frente). Mas percebe-se. Uma coisa é uma gaivota, ou uma coisa é um gato, outra coisa é um Rinoceronte. E foi finalmente sentadas à mesa, as minhas amigas e eu, de menu na mão, que li o que havia lá para ler depois de ler o que havia lá para comer, acho que se percebe. Delícias à parte, eu queria saber mais da Mensagem. Um cérebro está a invocar o Fernando Pessoa e só vê em redor metades da frente de um Rinoceronte, assim não dá e leva tempo. Ainda por cima, vou ter mesmo de introduzir uma informação. Este era um menu não nojento. Era um menu aliás bastante raro que se deixa ficar nas mãos à vontade sem qualquer tipo de pressa querendo ser largado, deixa-me! Deixa-me em paz! Eu e as minhas bactérias, os meus germes! Não. Este é um menu recomendável e limpo, sublinho limpo, ainda que não grande o suficiente para caber o Rinoceronte inteiro, mas isso ok não tem problema. A metade da frente do Rinoceronte já é completamente espetacular. E leio então a Mensagem.

Era sobre D. Manuel. Não teria se calhar D. Manuel uma gaivotazinha a jeito ou um gato que fosse e que nos dias de hoje haveria de caber inteirinho na capa do menu. Opta o nosso D. Manuel por escolher um Rinoceronte para mandar para Roma. Sério. Para Roma no sentido de o oferecer ao Papa. No entender de D. Manuel havia de ser um Rinoceronte, pronto (é lá com ele). Um bicho de grande porte e maljeitoso para meter inteiro em capas de menus (mas naquele tempo não havia menus). Pelo caminho, o animal descansou algures em França num porto qualquer. O rei francês achou-o tão giro que não deu ordem de o bicho continuar a viagem logo a seguir a ter chegado porque ele estava a atrair muita gente curiosa e encantada ao porto, tipo espera aí um bocadinho. Ora eu, se tivesse sido uma francesa desse tempo, também teria corrido a ver o Rinoceronte ao porto, como é evidente. A história, contudo, acaba super bem. O Rinoceronte, que era não só uma Mensagem como era uma Mensagem de paz ele próprio, chegou são e salvo a Roma, apesar de com certeza cansado ou quem sabe um bocado enjoado. Quanto a nós as quatro, pelo contrário, comemos uma refeição supimpa, umas sobremesas soberbas de um design que desencadeava duelos entre os olhos e a barriga, e tanto foi que quando as quatro de lá saímos eram as quatro da tarde.

16/09/2018

Sem título

Quando terminei a leitura do conto “Enfermaria Nº 6” de Tchékhov ia no terceiro golo de café. Então fechei o livro para me dedicar exclusivamente à digestão do torcido no estômago, ainda que aconchegado nos três golos de café quente, mais quente. Não é cedo nem é tarde, é domingo. E esta é a forma boa, digo perfeita, de não entrar sozinha num dia estéril, vaporizado e dorido. Em cheio.


15/09/2018

Se me quiseres aborrecer de verdade

Fala-me de como é potente o teu carro e gaba-te de não cumprires nunca o limite de velocidade, conta-me como fizeste bom negócio a comprar e vender imobiliário e detém-te nos detalhes, usa roupa só de marca fazendo questão de o mostrar ainda que pareça que não, faz por denegrir a imagem dos outros aproveitando para te enalteceres mesmo que subtilmente, diz estrangeirismos a cada duas frases, pronuncia “ponhamos” com a acentuação na primeira sílaba e não te corrijas logo a seguir.

(com os devidos créditos a Pipoco Mais Salgado)

14/09/2018

Caldos de galinha

- Ó mãe, da próxima vez que vires o Sr. Valério podias comentar os ovos que ele nos deu. Dizias que já acabaram e depois fazias uma pausa. A seguir dizias que eram mesmo muuuuuuuito bons!... Pode ser que ele nos dê mais, ele tem muitos?
- As galinhas dele. Sim, diz que põem vinte e tal por dia.

A minha filha Saminhas está convertida à boa mesa ou à mesa boa, dependendo do ponto de vista. Quem a viu e quem a vê. Em pequena era um desassossego. Uma vez que cá em casa não havia oreos ou bolicaos, donuts ou iogurtes com açúcar adicionado, ela fazia investidas na despensa da minha irmã Ana, cujo recheio ia muito no sentido dos seus interesses: de chocolates para cima havia lá de tudo – quando desaparecia a minha filha mais nova em casa da tia, toda a gente sabia onde a encontrar. Porém saudável é hoje para ela a palavra de ordem, verde a cor. Na nossa cozinha, já habitam três vasos de manjericão na variedade viçoso e bem hidratado, isto nomeadamente. Muito embora divergindo do espetro do verde, os ovos do Sr. Valério, voltemos à vaca fria, ou das suas galinhas, foram muito bem acolhidos cá em casa. Ele apareceu-me lá na serra com “uma coisa para mim” que se materializava num saco cheio deles. “Tenha cuidado para não se partirem”, advertiu. “Ponha-os no meio da roupa quando for para Lisboa.” E ainda acrescentou, como se eu precisasse de um incentivo para tanto ovo ali tão bom “São uma maravilha, a gema não tem nada a ver, esta é muito mais amarelinha!”. Não os meti no meio da roupa, não fosse o diabo tecê-las, fiz de outra maneira que deu. Isto quer dizer que chegou a Lisboa - com muitos cuidados e caldos de galinha para nos mantermos no contexto - chegou então a Lisboa sã e salva a dúzia e meia de ovos contada por ele e confirmada por mim. E os primeiros exemplares claro que já cá cantam, daí o diálogo encimando o post. Confirma-se realmente o amarelo da gema a tender para o laranja (não tem nada a ver). De modo que optei por não esperar encontrar o Sr. Valério da próxima vez que for à serra. Tomei o telefone e escrevi-lhe comentando os ovos. Dei-lhe razão. A ver se ele me dá resposta. Resposta e... hum… quer dizer... isso.

12/09/2018

MAKE TODAY GREAT (pode ser um smoothie)

São tantos os projetos de post que vão ficando por aí em águas de bacalhau ou a ver navios, tanto faz, que mais tarde ou mais cedo algum haveria de vir à tona. Verificou-se. Ia eu lançada pelo caderno de tomar notas do trabalho quando dou de caras com um destes projetos na última folha. Oh, estás aí? Então diz lá! E ele diz! (As vantagens de escrever em caderno de papel. Gosto imenso.)

Tem dois meses o projeto. E passa-se na cafetaria de um hospital. Eu estou sentada aqui e ali está uma mulher com óculos de massa vermelha. É por causa dos óculos que eu estou a olhar para ela. Não consigo decidir se gosto mais de óculos de massa azuis ou vermelhos, acho lindos ambos. Ela tem vermelhos e usa uma camisola com letras. Aqui não costumo escrever T-shirt porque muita gente distraída vai e chama T-shirt a tudo o que for de usar na parte superior do corpo, à exceção talvez de soutien ao qual chamam soutien, mas de resto é T-shirt no geral mesmo que seja uma camisola de alças, que tem mais a forma de um saco de ir ao supermercado do que a de um T. E isto incluindo, valha-me deus, as lojas de roupa, T-shirts! tudo a 3 euros!, e vamos a ver e são as tais camisolas de alças, ali mesmo onde a malta devia saber da poda não sabe, mas estamo-nos a desviar. Portanto a mulher dos óculos vermelhos enverga uma camisola em forma de T, ou seja, com mangas curtas, e neste caso letras grandes. Afino a vista e leio: “MAKE TODAY GREAT”. É uma grande ideia, fico atenta. Vou bebendo o meu suavezinho de frutas cor-de-rosa que de certa forma está a fazer o meu dia grande, e de vez em quando olho na direção da utilizadora dos óculos vermelhos, a ver se de lá vem alguma indicação sobre o MAKE TODAY GREAT em sua opinião. De repente levanta-se, (é agora!), diz qualquer coisa à senhora com quem está e caminha numa direção que a leva para um campo de visão fora do meu (bolas). Mas MAKE TODAY GREAT viu-se maior quando ela passou por aqui. A ver no que dá.

Quando regressa ao meu campo de visão, ela traz um belo gelado na mão.


Já sei por que não promovi logo este projeto a post. É fraquinho. Um gelado na mão, mesmo sendo belo, é fraquinho (e com uma rima, fu!). A mulher havia de ter trazido outra coisa mais, sei lá, mais vantajosa, mais vibrante, mais tcharam! na mão. Aí tinha valido o post. Assim não.