a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

07/02/2017

Figos, bananas, pepinos e frango assado

Mesmo assim estou um bocado cansada. Ser patroa de mim mesma é do género esquisito; eu sou má. Má quer dizer, chata e nham nham nham. Não me deixo intervalar, tomar um tempinho, um chopinho (adoro esta palavra chopinho) ver um episódio dos Maydays no youtube, já descobri que no youtube há muitos que eu ainda não vi, não preciso mesmo da televisão para nada (agora é que é seus malandros!), e tenho o serviço a abarrotar de canais – até me ligaram na semana passada, eu toda a trabalhar e eles a dizer que me oferecem mais canais como se isso fosse bom, eu disse-lhes com licença eu detesto canais, nem sei ligar os canais (é as minhas filhas, elas gostam e eu por enquanto vá ). De modo que agora saí do meu trabalho para vir sentar-me aqui no blogue, gosto tanto do blogue. Fui ver aos ficheiros e já acumulei quatro posts em ideias para escrever, nenhum saiu. Vai sair o mais antigo antes que fuja.

Fui, recentemente e por convite, a uma prova de vinhos. Nunca tinha ido a uma prova de vinhos. Calhou inserir-me num grupo de dezasseis pessoas, todos prontos para visitar as caves, a prova começava com uma visita às caves. Primeiro a guia fez uma narração da história da cave (é melhor dizer cave no singular porque a história é só uma), um frio, uma humidade, as pipas em silêncio alinhadas ao longo das paredes, a perder de vista as pipas, as pessoas atentas. Contei as pessoas num momento em que não estava a perceber nada do que a guia dos vinhos dizia. Ela falava holandês e quando percebeu que eu não estava completamente ali e me fez então confessar-me portuguesa, deu um salto de entusiasmo e disse que tinha ido a Portugal mesmo há pouco tempo lá às caves (afinal é plural) do vinho do Porto, e adorou adorou e Portugal é lindo lindo (e é mesmo).
Só muito depois nos sentámos enfim para fazer a prova. São três vinhos, um branco e dois tintos. Ocupamos duas mesas redondas, cada conviva com três copos e um guardanapo de papel à sua frente (digo conviva porque me diverti muito nisto). O guardanapo é para ver o vinho: a prova começa por olhar o vinho e ver-lhe muito bem a cor contra a brancura do guardanapo. Inclinar sem entornar e o vinho será velho ou será novo, diz a cor. Depois agita-se o copo de modo a fazer o vinho enlouquecer lá dentro e libertar os aromas: é quando se o cheira, cheira-se o vinho daquela maneira que se vê nos filmes, de preferência com os olhos fechados. E só depois é que o vinho está pronto a ser provado. Dá-se um gole e deixa-se em princípio o vinho ficar na boca uma data de tempo, fazer uns bochechos – não é bonito o processo, só para avisar. E depois de deglutirem ou cuspirem, são duas as opções possíveis para o vinho provado, as dezasseis pessoas foram incentivadas a informar sobre os sabores que encontravam no vinho. Álcool! diz alguém, muito bem! diz a guia dos vinhos, madeira!, muito bem!, chocolate! (juro), muito bem!, café! (café?!), muito bem!!, baunilha! (baunilha??!!..) muito bem!, (muito bem??!!), amoras! (amoras???????????.....), muito bem!!.....

E eu estava já mesmo perdida de riso e juro que este post não tinha visto a luz deste dispositivo eletrónico se alguém ali tivesse dito o que eu quis o tempo todo dizer caso a coragem não me tivesse abandonado entretanto perante o aparente elevado nível de conhecimento dos outros quinze convivas e a minha total estupefação com o que encontraram eles no vinho: uvas!


(mas para a próxima vou arriscar figos, bananas, pepinos ao segundo copo e, porque não, ao terceiro copo, frango assado! só para ver se o muito bem! continua)

20 comentários:

  1. Querida Susana Rodrigues,
    ao fim do terceiro copo deglutido, já é tudo muito boooommm!
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, caro Outro Ente. :-)
      (E também é bom "vê-lo" de novo!)

      Eliminar
  2. AhahhahahahahahahhahahhahhhHhhhaahahhahahahahahahahahahhahahaahhahahahahhahahahahahaahhah
    Pronto, ri-me alto. Com som e tudo! :DDDDDDDDDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Palmy, essa gargalhada ouviu-se aqui e eu estou longe! :-)
      (Que bom ter-te feito rir :-), e espero que já estejas totalmente recuperada daquilo do outro carro no teu banco de trás...)

      Eliminar
  3. :D
    Nunca saí completamente sóbria de uma prova de vinhos. Recuso-me a cuspir!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, grande Pirata, nem outra coisa era de esperar de ti!! :-)
      (Eu também não cuspi...)

      Eliminar
    2. Completo! E eu cá sou muito poupadinha. :-)

      Eliminar
  4. Pois, a mim, custa-me a parte do cuspinhar! Cruzes! Eu sei que é assim, mas...

    Beijocas, Susaninha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A guia foi a única que vi cuspir, mas dado que ela faz aquilo o dia todo, é mesmo bom que não beba tanto vinho, pobre mulher...
      Beijinhos, Maria. :-)

      Eliminar
  5. Ora aí está a receita agradável de uma actividade que não coaduna com o meu fraco entendimento e gosto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes os caminhos da vida levam-nos para atividades improváveis, de facto. Mas aprender aprende-se sempre. E esta ainda foi divertida... nunca pensei que um vinho pudesse ter tantos mistérios. Baunilha.... amoras.... tss tss
      :-)

      Eliminar
  6. Já me fartei de rir... Só tu. Eu não percebo nada de vinhos. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu me fartei de rir, por isso é que tinha de vir contar ao blogue :-))

      Eu também não percebo de vinhos e prefiro continuar a não perceber, para poder continuar a beber vinhos, digamos, mais em conta. :-)

      Eliminar
  7. Mas te achei até contida, isso de figos e bananas é mole de achar. Eu já senti (em whisky) couro, papel queimado e xixi de gato

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sério, Evandro??? xixi de gato?? isso foi barra pesada... foi não? :-)
      (eu sou uma naba, é o que é.... o vinho só me sabe a ... vinho, e whisky nem chego perto... dá medo de tanto álcool, de ficar muito combustível sei lá... ah! talvez daí então o papel queimado?...) :-)

      Eliminar
    2. Para não pensares que minto. Beba uma cerveja stout e me digas depois se não sentiste papel queimado

      Eliminar
    3. Combinado, Evandro. Vou descobrir aí uma stout e depois conto.

      (mas eu não penso que mente, claro que não, quem sabe de cerveja assim, já a consegue segregar debaixo do palato :-))

      ...mas primeiro tenho de comer papel queimado, não é?

      (ok, ok estava a brincar)

      Eliminar
  8. :)) maravilhoso.
    fiquei curiosa quanto ao sabor do frango assado, com molho de limão ou laranja? perguntam muito isso na secção de take away, por isso é que eu sei bastante sobre piu-pius e nada de Cabernet Sauvignon ; Pinot Noir ou Merlot. como vejo filmes, às vezes, acabam por surgir estes nomes e decorei-os. Baco havia de ficar orgulhoso de tanta variedade.
    boa noite, Susana.
    beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande ideia, Mia, vou dizer, da próxima vez, com um ar muito concentrado e de olhos fechados, cabeça ligeiramente inclinada para trás, que encontrei um travo a laranja no vinho, frango assado com molho de laranja, corrigirei. E depois quero ouvir o "muito bem!!"
      Outro beijinho, querida Mia. :-)

      Eliminar