a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

03/10/2015

Em estado larvar bem perto de si

Como quereis vós, homens com sede, que eu me detenha somente em tarefas nobres e rejeite escrever tolices, se me é dado ouvir no rádio do carro, logo pela manhã, antes mesmo de dar entrada no habitual sistema de entradas, uma coisa do tipo peça orquestral em estado larvar?

Ora isto é composição que se ponha assim completamente na emissão de uma estação de rádio do tipo antena dois, neste escorvar de mais um outubro, composição que uma pessoa do tipo eu, em tendo um blogue activo, não é capaz de deixar passar em branco e vai e posta aqui o quê? Uma curta metragem (é a fase das curtas).

Lembro que começava o agosto a cair de maduro quando nos cai a nós, aqui em casa, uma comunidade de vespas crescidas a pedir atenção urgente. Atenção bem orientada que foi, culmina com Peça orquestral em estado larvar em exibição num dispositivo bem perto de si e por exemplo não saia do seu lugar.

Aviso: O vídeo que se segue tanto pode conter imagens chocantes como provocar reminiscências de break dance baseado em contorcionismo. Não experimentei fazer em casa e detesto contorcionismo. Mas não este.


A orquestração esteve a cargo da mãe natureza, o estado pertence às tais vespas.

(nota para os eventuais atentos ouvintes da antena dois: este post deve-se ao dia um do corrente e chega de notas) 

7 comentários:

  1. Há uma conspiração cósmica contra a escrita sobre tarefas nobres!!! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, pois é. Eu sabia que me compreenderias (ah! e já agora... coisas tontas nunca vi no teu blogue... mas só o leio desde 1987, pode ser disso)

      Eliminar
  2. Eu conheci a Orquestra Sinfónica Grilense de Milfontes, que nos presenteava diariamente com as suas belas peças nocturnas. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As Orquestras Sinfónicas Grilenses são sempre tão boas! Há-as por todo o verão, não é? :-) Pena não tocarem durante o dia...

      Eliminar
  3. Agora já percebi onde é que Saint-Saëns se inspirou...mas neste caso é dança macrabro...não fosse a quantidade de figurantes.

    Um beijinho, Susana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E todos tão certinhos, estes figurantes.
      Dança macrabro... fizeste-me rir.... mas aposto que és pessoa para já conhecer coisas destas de ginjeira, acertei? :-)

      Outro beijinho, Teresa.

      Eliminar