a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

09/12/2016

Assim assim

Por causa das minhas filhas, lavei o cabelo assim assim e há imenso tempo que não usava a expressão assim assim. Elas roubam-me coisas. Por exemplo utensílios de beleza (já lá vamos, é um momento), com os quais me esforço para potenciar a dose que me coube no momento da distribuição pela mãe natureza, e outros produtos mais ou menos químicos também de beleza (prometo), incluindo o conteúdo do frasco de shampoo (do meu shampoo, que elas têm outro). Portanto eu de manhã estou no chuveiro e pego, viro o frasco ao contrário, espremo espremo e depois sai um bocado de ar e uma nozinha do produto mais ou menos químico para o fim sabido. Por isso ficou o meu cabelo assim assim.

Quanto à beleza, a situação baliza-se como segue: a minha filhinha mais nova, que não recorre a artifícios de linguagem a menos que lhe interesse muito muito, aos quatro anos de idade diz-me assim, ai mãe tu és tão linda, tu és mais linda que as bruxas! Mais tarde acrescentou (para esclarecer):

- Eu ia dizer “mais linda que as princesas” mas depois pensei que não era preciso exagerar.


Relativamente aos roubos, não sei que fazer, acho que ficamos assim. Assim assim, aliás.

12 comentários:

  1. A comparação é fantástica! :)
    E as feiticeiras dos tempos modernos são todas lindas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São mesmo, principalmente as que têm dons piratareiros. Ai. De pirataria, I mean.

      (és mesmo linda, Cuca, I mean it)

      Eliminar
  2. Eh, eh...quando crescerem, melhor fechar à chave o armário da roupa...falo por experiência própria.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas querida CC, elas já cresceram (a conversa descrita foi há 12 anos atrás, só que eu não me esqueço assim do pé para a mão destas coisas :-)), e já cresceram acima de mim, portanto o armário da minha roupa está a salvo :-)

      Eliminar
  3. É sempre bom ter coisas destas para recordar. Filhas que não subtraem material às mães não merecem o nome que têm. É de lei. Pertence. E BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto é isso mesmo. Quando vejo o lugar das coisas em vez de ver as coisas, primeiro irrito-me um bocadinho e depois penso "que bom, elas ainda vivem cá em casa".
      Um beijinho, bea, e bom resto de fim de semana.

      Eliminar
  4. isso acontece-me, desaparecerem coisas, mas nã vive aqui mais ninguém...
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é a caveira!!!

      põe-na de castigo, Manel, para ela aprender.

      Eliminar
  5. Já me fizeste rir com esta história! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó luísa, ainda bem, porque tu fazes-me sorrir os olhos por fora e por dentro com as fotografias incríveis que produzes. Acho que és a minha fotógrafa preferida, acho não, és!
      :-)

      Eliminar