a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

31/10/2017

Uma salva de palmas

O lançamento do novo livro de António Damásio na sua versão portuguesa - “A estranha ordem das coisas” - começou esta última manhã de outubro já o sol estava alto e o local do evento à pinha, como se costuma dizer. Gente em pé era aos molhos que os lugares sentados, sendo muitos, já não havia. Estimei oitocentas pessoas presentes, uma grande parte das quais alunos da escola secundária.
Durante o discurso esteve um silêncio contínuo na sala, a ouvir, todo igual. As palavras de António Damásio ligam os cérebros a que se dirige, o seu timbre de voz faz a massa de gente tornar-se uma, fruto de encaixes perfeitos das suas partículas, humanas. Terminou deixando-nos num transe uníssono, nem uma tosse se ouvia e, se os jovens não são de tossir nestas ocasiões, também os donos de cabelos brancos não o foram. Havia agora lugar para quatro perguntas de alunos da escola. A primeira foi posta e foi respondida. Foi pedida a segunda pergunta.
E é quando aquela senhora se levanta da assistência e começa a caminhar pela coxia que divide a plateia, dizendo urgências pouco percetíveis. Alguém da organização avançando para ela tentou detê-la mas a senhora desvia-se, continua a andar aproximando-se do palco, a senhora o que deseja, não pode, espere, pode esperar?, as perguntas são dos alunos…
- Não posso esperar, não – e para enfim, baixinha, cabelo curto, óculos quadrados, nenhum ornamento para além da urgência latente e, com voz suplicante mas firme, disse – professor António Damásio, o meu filho está no hospital entre a vida e a morte com um problema muito grave, eu já tentei de tudo, só faltava vir aqui para lhe perguntar, o professor deve saber, o que posso fazer mais por ele?

- Pode deixar aí o seu contacto e eu tratarei de encaminhar.

Estalou uma salva de palmas que se demorou a ecoar nas paredes altas do edifício. 

E deixo-a agora a ecoar aqui. Não podendo uma salva de palmas salvar o filho daquela senhora, salvou-a pelo menos a ela, naquele momento, de se sentir tão só na sua horrível dor. Tive a certeza.

12 comentários:

  1. "Não podendo uma salva de palmas salvar o filho daquela senhora, salvou-a pelo menos a ela, naquele momento, de se sentir tão só na sua horrível dor." Acredito que sim. E como a dor da impotência dói...
    Deixo-te um beijo, Susana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois dói. Ficou-me a doer o desespero daquela senhora - ter ido ali, em frente a tanta gente, implorar que António Damásio lhe salvasse o filho...
      E eu deixo-te outro, NM.

      Eliminar
  2. Este post sim, comoveu-me. A dor das mães perante a morte ou o sofrimento intolerável dos filhos é inconcebível. Mas a sua coragem e capacidade de luta é sobre humana.
    A minha salva de palmas é para todos: a Susana, aquela mãe, António Damásio. E muita esperança.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, bea.
      Também fiquei esperançada porque o António Damásio é pessoa de levar a sério o empreendimento de ajudar aquela senhora e o seu filho.

      Eliminar
  3. quem não tossiu, pigarreou ou pronunciou outro som, fui eu. li de fio a pavio a imaginar cada palavra e sua entoação posta no discurso. o barulho das palmas salvou-me do transe.
    um beijo Susana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas ficar um bocadinho mais em transe, a pairar, é bom, não é?
      Outro beijo, Mia :-)

      Eliminar
  4. Da cozinha para a alta cultura, em registo emocional, grande. E depois digam, senhores, que a minha Amiga não tem cintura leve, digam.

    (eu trato de os contrariar :)

    Olá, Susana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que li "alta custura"? :-) (bem sei, é costura) E por acaso até gostava muito de ter jeito de mãos com a máquina de coser - havia de produzir cá umas belezas para eu vestir!
      Diogo, que comentário, muito obrigada. A tua generosidade é que é grande. :-)

      Eliminar
  5. É verdade, querida Susana, as coisas têm, por vezes, uma estranha ordem.
    Abraço horroroso (na vez das palmas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E segundo este mesmo cientista do cérebro, essa estranha ordem, o desajuste, a perda do bem-estar, têm sido bons motores para a evolução do Homem e das culturas.
      E eu acrescento que um abraço bem horroroso também ajuda, querida Teresa :-)

      Eliminar
  6. Que coisa horrível. Até me doeu não sei onde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim também, Cuca. E ficou-me a doer para o resto do dia.

      Eliminar