a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

05/01/2016

O telefone esperto

Dois mil e dezasseis já não me apanhou desprovida de um telefone esperto (vou, portanto, deixar de me queixar que tiro fotografias aos pés quando quero escrever uma mensagem ou iniciar um telefonema). Cedi às pressões da sociedade em geral e da família em particular e lá engoli o sapo: nos últimos dias do ano acedi em tomar um telefone esperto como meu, todo novinho, caríssimo (eu sou um bocado fuinha, tudo me parece caro). Escolhi-o na cor branca que eu gosto tanto do branco e depois meti-lhe uns bonecos de natal que estavam a querer vir em forma de app e eram bastante grátis. Ficou giro, um ambiente nevado e vermelho nos ecrãs e ficou também o meu telefone (a partir daqui deixo de escrever “esperto”) parecidíssimo com o da minha mãe, que é uma avó munida de semelhante tecnologia logo desde que esta rasgou o mercado; ainda ninguém sabia de nada, já a minha mãe tinha um desses (muito feliz). Nem pareço filha dela, a verdade é esta, a minha mãe é que devia ser minha filha, porque é décadas mais nova do que eu, ri-se bem mais do que eu e está sempre contente a minha mãe. E sincroniza aquilo tudo num instante, por exemplo a máquina do café com a bimby (e no natal o seu forno fez perú recheado, porco e cabrito tudo mais ou menos ao mesmo tempo, foi uma sincronização muito boa), acho que até já conseguiu sincronizar o seu telefone (o tal com o qual o meu se parece) com a tigela da comida dos gatos, e depois diz às vizinhas que maravilha, isto até dá tal tal, é uma app não sei quê. A minha mãe tem tudo. Até tem uma filha que não parece ser dela. Mas é. 

26 comentários:

  1. tão parecidinho, mas tão parecidinho comigo: o esperto (o meu preto), a mãe, o não parecer filha (diz a minha que devo ter sido trocada na maternidade. mas não fui, que em Luanda, há 52 anos, nascer um bebé loirinho de olhos verdes não devia ser todos os dias :) )

    saio daqui sempre mais levezinha, às vezes até flutuo...
    beijo, Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. esse comentário pôs-me um sorriso na cara e outro no coração, ana.
      no entanto temos duas diferenças a destoar nas semelhanças da história: eu tenho o cabelo castanho escuro e os olhos idem :-)
      outro beijo, ana.

      Eliminar
  2. Quando adquiri um desses telefones espertos senti-me a criatura mais estúpida do universo. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quanto tempo durou isso, Ava? Aposto que ele te conquistou logo logo com as suas potencialidades tantas. Não foi? :-)

      Eliminar
    2. Tem dias, Susana, tem dias mas tenho de confessar que depois de um destes os outros deixam de fazer sentido. :)

      Eliminar
  3. Antes do final da semana estarás convertida ao espertinho e nunca mais hás de querer um dos outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cuca, já estou. Assim que o tive na mão passei a saber a toda a hora as terríveis temperaturas em São Petersburgo (-22ºC agorinha), cenário do livro que ando a ler, embora este se passe em Julho, mas isso não faz mal nenhum.

      Eliminar
    2. O meu é tão esperto que agora até me dá lições de piano!

      Eliminar
  4. serei o único com um telefone estúpido? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manel, eu pensava que era a única co mum telefone estúpido e devia ter-vos perguntado antes de me lançar numa aventura destas... mas olhe que ficar na companhia da nossa doce flor (se bem que recomendo cuidado com o gado, caso o tenha, Manel) deve ser nada mau. ;-)

      Eliminar
    2. aproveito que vos encontro aqui às duas para agradecer a convocatória na grande aventura em busca do chocalho perdido, foi muito divertido :)

      Eliminar
    3. Quem convocou foi a flor, essa inquieta poetisa que nos empresta da sua poesia um pouco sem sequer darmos por isso. Muito generosa, a flor. Por mim, foi um prazer, Manel. :-)

      Eliminar
    4. (um beijo repenicado e grato de agradecimento à sua apreciação inflacionada :)

      Eliminar
  5. "eram bastante grátis" é tão bom.
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
  6. recuso-me a eles por uma simples razão, os inteligentes viciam-me :)

    bonito de ver é o ar de gozo de quem me observa, como se eu fosse um dinossauro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas mas...flor! por onde andas tu, que eu me via sempre tão só, por exemplo, nas salas de embarque de aeroportos, toda a gente a deslizar dedos em vidros inteligentes e eu a observar.... só eu a observar...
      (tu não me digas que também roubas dinossauros...)

      Eliminar
    2. :))) escondo-me na casa de banho para telefonar (vergonha daqueles olhares piedosos dos idosos)

      Eliminar
  7. Pergunte às minhas filhas se elas conhecem alguma mãe parecida com a sua eheheheh... a maluquinha das tecnologias! Heeeeeere's me-e-e-e-e- !!! :) ... e estou a passar o bichinho a quem ? :) :) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheh..... se se encontram as duas por aí, sei não... o melhor é deixarmos as coisas assim, caso contrário os gigantes das telecomunicações que se cuidem!...
      :-)))
      Beijinho, querida MD (e um também à Alice).

      Eliminar
  8. cuidado com as radiações
    um dia destes vai aparecer a tal doença que é a tal nova doença...e é assim; quando foi do tabaco ninguém avisou ninguém. foi uma surpresa.

    agora são as radiações: no micro ondas, nos computadores, nos smartphones etc...ou julgam que é tudo "rosas"?
    desculpa a crueza :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Crueza nenhuma, Tristan. As radiações destes aparelhos são definidas na legislação (neste caso europeia) e têm limites supostamente abaixo do que será nocivo pra a saúde humana. Claro que é discutível num aparelho em que a antena está internamente instalada, e tão próxima do cérebro quando se encosta o telefone ao ouvido. O que s epode fazer é no momento em que o telefone está a chamar (momento em que o campo elétrico é máximo), não encostar completamente ao ouvido, porque a cada cm de distância o campo elétrico diminui consideravelmente, mas concordo que será sempre de não abusar. Os telemóveis velhinhos com as antenas exteriores pareciam ser menos nocivos. Se lhe interessar saber mais, o telefone terá um número inscrito junto à marcação CE que indica o organismo responsável pela sua aprovação para colocação no mercado (base de dados NANDO na internet), esse organismo pode disponibilizar informação sobre que níveis de radiação o aparelho tem. Qualquer pessoa, o público em geral, pode inquirir, tem o direito à resposta.
      E, se ainda não o adormeci com esta lenga-lenga, fica um abraço e as boas-vindas aqui a este simples blogue.

      Eliminar
  9. Respostas
    1. São os mais confortáveis, sem dúvida. Eu ainda uso um desses, fixos. :-)

      Eliminar