a voz à solta


Se leio, saio de mim e vou aonde me levam. Se escrevo, saio de mim e vou aonde quero.

16/07/2024

Muito me conta a dieta

Sabia que a doutora já estava à minha espera, por isso adiantei a hora de bater a porta, meter-me no carro, e fazer-me às curvas. São oito minutos sempre a descer até à entrada da farmácia. A tarde estava amena, os raios de sol entremeando os ramos dos carvalhos, dos pinheiros e dos eucaliptos em ângulos bastante agudos. As flores caídas da buganvília, à sombra da qual o carro passa o verão, desinstalavam-se, a cada curva, da concavidade entre o para-brisas e o capô. O seu rosa-choque esvoaçante contra o verde abundante da paisagem. 
Ao entrar no gabinete, a doutora abraçou-me, libertando centelhas do seu perfume na minha roupa. Já estou habituada. Teoricamente, alcancei o objetivo ao cabo de quatro meses de dieta rigorosa. Oito quilos foram à vidinha deles depois de uma estadia demasiado prolongada chez moi, como se diz em francês. "Agora só a quero ver em Setembro e depois tem alta", foi a sentença. Estou mesmo contente. Em idade metabólica e segundo as maquinetas de medições várias, diminuí quinze anos e melhorou-se o fígado, a vitamina bê um e mais uma data de ingredientes. Ora mesmo que isto não passe de uma animada estratégia de marketing, não há problema nenhum, evidentemente.

(seguem-se as notas de rodapé para quem não tiver nada melhor para fazer) 

O processo trouxe dois ensinamentos. Um, ficar muito tempo sem comer ou fazer horários desregrados ensina o cérebro a precaver-se contra a falta de provisão e portanto ele manda o corpinho reter o esporádico alimento o mais possível. Dois, parar às onze, às dezasseis e às dezoito para tomar um breve lanchinho zero por cento açúcar, proporciona três momentos diários de puro mindfulness que não só sabem lindamente como caem que nem ginjas. Recomendo muito.

Um dia na serra

Hoje tive seis reuniões e quase não consegui trabalhar a sério, ainda que algumas tenham sido rápidas e todas remotas. Quando no fim do expediente fechei o computador, queria completamente outra coisa. Algo simples. À hora de almoço colhera do terreno as ameixas da manhã e trouxera-as para dentro, quentinhas de estarem ao sol. Já íamos em vinte e cinco. Parece pouco para ameixas, mas é muito. Elas são grandes como bolas de ténis. Ora pela tardinha, esse chão que dá ameixas já dispunha de mais algumas e por isso tomei medidas. Fui buscar dois sacos. Meti-lhes dentro exemplares inteiros - quer dizer, não semicomidos por gaios, melros e formigas enormes.
Saí para a rua. Pendurei o primeiro saco na porta dos vizinhos da frente que estão cá de férias, e o segundo na dos vizinhos ingleses que estão cá sempre, fizeram um brexit ao contrário. Enviei mensagens a ambos a avisar das ameixas e, enfiando os auriculares com fios* nos ouvidos, pus-me a andar dali para fora da aldeia em direção ao pôr do sol na estrada de terra. Liguei para uma filha e depois para a outra. Estão ambas a espalhar beleza em Lisboa, mas quem me dera tê-las aqui.

* ah pois. 

26/06/2024

Veado ou corça

Por causa da emigração que operei para a serra, pude observar, numa destas noites de verão muito raras, dezenas de pirilampos machos. Sei que são machos porque voavam e piscavam as suas luzinhas. Fêmeas não pude avistar nenhuma, elas não voam, ficando apenas com a luzinha no chão a indicar o caminho aos machos. 
Ouvi, então, vindo do terreno mais baixo, um cervídeo, que podia ser veado ou corça, esses não sei distinguir, mas seria jovem, caminhar na direção da estrada atrás de mim, atravessando o terreno aqui ao lado, todo focado no seu intento e sem se deter a comer a erva nem nada dessas cenas óbvias, como é hábito dos seus companheiros de espécie. E não é a primeira vez que isto acontece. Quando chega à rua estreita, empedrada, abranda, olha para um lado e para o outro. Depois continua, desaparecendo da minha vista, rua fora. Estou desconfiada que vai procurar os gatos, que gosta de os ver. É que ali, àquela hora, e não contando com os pirilampos que foram atração de uma noite só, não há mais nada além dos gatos e dos dois carros empoeirados, estacionados à luz amarelinha do candeeiro de rua.
Reentrei em casa e continuei a ler uma alegria que trouxe do espaço Leya numa das duas visitas à Feira do Livro deste ano. "A febre das almas sensíveis", de Isabel Rio Novo.

23/06/2024

Chá preto

Dizias "Vou pôr mais água no chá" enquanto te dirigias à cozinha com o bule de porcelana decorada a florzinhas ao estilo inglês, já vazio. E regressavas  segurando o bule de modo mais firme, cauteloso, superando assim o peso da tua idade de avó experiente. Devagar, e só depois de passar um minuto ou dois, tornavas a encher cada uma das nossas chávenas. Era chá preto. Nos pratos havia paezinhos de leite com fatias de queijo flamengo cuja espessura havia sido supervisionada por ti, não fosse alguém lembrar-se de as cortar demasiado finas.
Nessa altura - quantas décadas já lá vão? - eu não sabia de outras maneiras de tomar chá. Não sabia, por exemplo, que iriam fabricar-se saquinhos mais pequenos, cada um destinado a uma chávena só. Nesse tempo nosso, chá era o nome de um momento de comunhão, de encher a barriga com doçuras e, acima de tudo, um momento de amor. Não havia, não na tua casa, chá só para um. Esse era um nome tão amplo que, dentro dele, cabia toda a tarde de domingo.
As toalhas que usavas para cobrir a mesa cheiravam a lavado. Ora bordadas ora com aplicações em croché, haviam sido feitas por ti. De uma revista, de um modelo, da tua imaginação. Fiquei com duas, sabes? A verde clarinho e a das rosas vermelhas. O bule, aquele que transportavas para "pôr mais água no chá", também ficou para mim. Mas, tal como as toalhas, passa os domingos arrumado. E os sábados, os invernos - anos inteiros. Ao lado da pilha de pratos e das chávenas encaixadas duas a duas. As florzinhas de estilo inglês no silêncio do interior escuro do armário.
Hoje o chá é individual e ninguém tem tempo para toalhas bordadas. Não que as pessoas não estejam juntas, mas, sabes, cada um tem o seu gosto, a sua preferência, o seu problemazinho. E, depois, há mil e quinhentos chás.
Há de frutos do bosque, mel e limão, maçã e canela, chá para a noite, para as pernas, para a cabeça. Há chás para tudo. 
Só não há um para as saudades, querida avó, estas tão grandes, velhinhas, persistentes, que cá deixaste plantadas no meu coração. 

05/06/2024

A mãe (as mães)

O carro morreu outra vez. Completamente. Os botões nada, a chave idem, dentro ou fora. Tanta inteligência artificial, tanta encomenda da peça, tanto telefonema com menus de escolha e autorizações de gravação. Um carro quase novo. Liguei para a assistência. A assistência atendeu à terceira, depois da música de espera interminável a lembrar o barco de descer o Douro adornando com turistas: distorcida no máximo. Tomou nota da ocorrência e nos intervalos das perguntas tentei explicar que devia ser a bateria, a pequena, de doze volts, de novo. Mas a assistência não estava interessada nisso, o técnico iria ligar para combinar a visita. Perguntou se podia ajudar em mais alguma coisa. Podia, que era ouvir-me um bocadinho. Mas disse que não, agradeci. Voltei com as mãos para cima do teclado e continuei o trabalho em teleligação.
O prometido telefonema do técnico chegou. Atendi e reconheci-lhe a voz. Era o mesmo homem mal disposto que veio ressuscitar o carro da outra vez. Dessa, lembro-me que trazia uma velhinha muito magrinha com ele. Uma velhinha que se torcia sobre o corpo esquelético e não falava. Talvez fosse a mãe. Expliquei-lhe o sítio, confirmei a morada. Com jeitinho. Tentei falar da bateria, mas nem pensar. Palavras inúteis, ele é que saberia do mal do carro ao chegar (como se eu fosse burrinha atómica ou sem cérebro). Estou no meio da cidade, grunhiu, é o tempo de chegar aí. Qual cidade, perguntei, Coimbra? Claro!!, soltou o homem, e acrescentou no mesmo estilo, qual é que havia de ser!? Não lhe expliquei que este país tem outras cidades, e coisas tipo assim esquisitas.
Meia hora depois, exatamente como da primeira vez, voltou a ligar. Bufava, estava no sítio errado, de novo se havia extraviado e de novo a imbecil era eu que não expliquei ou que não arrumei melhor os lugarzinhos perdidos na serra do Portugal. Acusou-me de inexatidão (sem usar a palavra inexatidão). Comecei a repetir o nome da aldeia, mas ele não ouvia, bufava, dizia que isto é uma chatice. Mas de repente num intervalinho da má educação, ouviu. Quê?! Carvalhinhos?!, cuspiu. Para o Caralhinho é que teria sido bem enviado o senhor. Todavia não. Direcionei-o para este Carrinho. Morto. 

E desta vez nada, morto continua ele, agora só amanhã. Com reboque.

(a velhinha muito magrinha que se torcia vinha de novo com ele, a aturá-lo desde Coimbra - só pode mesmo ser a mãe)

26/05/2024

As portas

O apartamento onde, em criança, morava com os meus pais e irmãs era servido por duas portas de entrada. Uma, a principal, dava para o hall, a outra, então chamada de serviço, dava diretamente para a cozinha. 

A porta de serviço era a porta onde tocavam o padeiro, o leiteiro e alguma empregada de outro andar que vinha pedir um pé de salsa ou um ovo que lhe faltasse para o pão-de-ló. Ao domingo, também aparecia o Damásio, namorado da última empregada que tivemos. Ele vinha namorar com ela à porta (a porta ficava aberta), ou então vinha buscá-la para passear no seu dia de folga. O Damásio não tinha ordem – provavelmente nem lhe passava pela cabeça pedir – para entrar e namorar com a rapariga dentro de casa. Só me lembro dele à porta. Um dia, achando-o muito alto – eu devia ter seis anos ou sete – perguntei-lhe a idade. Ele respondeu "vinte e um ano". Assim, no singular, “ano”. Lembro-me que fiquei a pensar que não me podia esquecer de dizer “ano” quando eu própria chegasse aos vinte e um. E logo a seguir duvidei se estaria bem assim, vinte e um ano, mas ele sendo tão alto devia saber com certeza e eu ainda teria muitos anos para confirmar aquela maneira esquisita de dizer a idade. A campainha da porta da cozinha tinha um trriimmm potente e irritante, ainda por cima anunciando visitantes que não me despertavam qualquer entusiasmo ou interesse. Se acontecia o tinido estridente tocar quando eu passava perto daquela porta, não escapava a dar um salto de susto.

A porta do hall era muito melhor. Por ela chegavam os avós para jantar, os convidados para a festa de anos de alguma de nós ou, melhor ainda, para a consoada. Também o toque da campainha era muito diferente. Um harmonioso e musical, suave dlim-dlão. Por vezes, o dlim-dlão prenunciava a visita dos padrinhos da minha irmã Catarina que vinham lanchar. Tratava-se de um casal muito distinto. Estavam sempre sorridentes um para o outro, o olhar azul dela pousava no rosto gordinho dele, e era com tanta ternura que o fazia. A sua voz era baixa, falava devagar. Ela conversava comigo e com as minhas irmãs de coisas de mulheres. Eu queria sempre ouvi-la e desejava ser como ela, quando fosse grande, por exemplo aos vinte e um. A distinta senhora fazia os seus próprios casacos compridos de fazenda tão macia. Reagindo ao nosso olhar de admiração, ela estendia uma pontinha do casaco para nós podermos tocar o tecido e confirmar a suavidade. Um dia, ela trouxe-me um presente que anunciou ser adequado ao meu cabelo, ao meu tipo de cabelo. Era um pente com dentes ondulados, muito afastados, que não iriam arranhar-me a cabeça, nem puxar-me os cabelos. Eu detestava pentear-me porque o processo era sempre doloroso, e ela devia saber disso. Aquele pente parecia realmente muito melhor, ao contrário dos outros pentes horríveis. A madrinha da minha irmã Catarina ensinou-me então a utilizar apropriadamente o novo utensílio. Quando terminou, explicou-me de que modo devia colocar o cabelo na almofada quando me deitasse para dormir. Era um modo especial de manter o cabelo penteado e que tinha ainda a vantagem de evitar que se partisse. E eu então, admirada, aprendi que o cabelo, não sendo de vidro nem nada, podia partir-se.

23/05/2024

Banda de borracha

Steve Jobs mostrou numa conferência, algures em 2007, o chamado efeito de banda de borracha ou rubber band effect que a sua equipa havia criado. 
O que é o rubber band effect
Para o demonstrar, Steve Jobs fez o dedo deslizar no ecrã de um telefone Apple mais esperto que os demais, para correr verticalmente uma lista de dados. Também se chama fazer scroll. A lista, obedecendo, correu toda até ao fim. Mas ele continuou de propósito deslizando o dedo como que a forçar a lista a mostrar mais linhas de dados ali no ecrãzinho. É então que surge o tal efeito banda de borracha. A lista exaurida, não tendo mais para andar, estica-se ali um bocado aumentando os espaços e depois faz ao contrário, encolhe. Tal como uma banda de borracha. Isto para sinalizar ao teimoso dedinho que, temos pena, mas já não há mais nada na lista, ok? Com certeza utilizadores da marca referida sabem do que estou a falar. 
Cinco meses depois a Apple depositou o pedido de patente para o novíssimo efeito borrachado. Cinco meses depois veio a revelar-se demasiado tarde. Devia ter sido um dia antes da tal conferência. 

Foi só após a morte de Steve Jobs que a patente foi retirada na Europa: o tal efeito já não havia sido novo, uma vez que o próprio inventor o divulgara previamente. 
Fiquei a saber disto hoje.

(Steve Jobs morreu em outubro de 2011, com apenas 56 anos.) 

22/05/2024

Só faltava começar cada frase com imagina

Comprei, pela wook, em modo entusiasmo e de urgência, um livro de uma autora desconhecida recomendado num local de bom consumo literário.
Logo que chegou a encomenda, apreciei a capa. Pareceu-me infantil, mas o problema com o mundo infantil é meu; portanto endireitei as costas e afastei o cabelo dos olhos. Abri então o livro com uma avidez intacta. De pé, mesmo, entrei-lhe pelas palavras a derrapar. Mastiguei as primeiras pseudoideias com o paladar configurado, a cabeça um bocado inclinada a sul, quer dizer, a mente aberta a qualquer luz que viesse, os olhos bem focados. 
Mas estava a escapar-me um sentido, uma imagem sequer. Alguma lógica. Comecei a correr atrás daquelas palavras que fugiam todas em ausência. Eram e não eram em verbos estranhos ou não. Acompanhadas por doses absurdas de talvezes e incertezas de rumo, parei de comer na terceira página. O problema seria meu, evidentemente. Com certeza as pressas. Pousei o livro, voltaria mais tarde. Depois do trabalho, do banho, de um jantar (da luz verde e azul muito linda na noite). 
Porém, na segunda visita, fui recebida com a mesma bacidez, o mesmo vácuo onde nada cabia. Não pude formar qualquer imagem por deslavada que fosse. Aquelas palavras estão inanimadas. 
Não foi uma possibilidade continuar a leitura, e morri-a na página oito. Entreguei muito depressa o livro à estante, recolhi as mãos limpinhas e consumi a indignação num suspiro intitulado sem-título. Foi melhor assim.

13/05/2024

Uma maiúscula, um número e um caracter esquisito, de resto nada que se possa associar a si, compreende? *

Nos intervalos das horas extra laborais em que estou a tentar provar que sou eu deste lado do ecrã necessitando aceder a um determinado serviço em linha e não a minha mãe ou sei lá avó, através de palavras passe cheinhas de requisitos facílimas de esquecer e declarações de não-robô tipo vá lá era p'ra hoje, por vezes, consigo ler umas páginazinhas de um livro. Poucas.

*não

17/04/2024

Boa viagem, disse ela

Então como está Fátima, não perguntam vocês. (faz de conta que isto é uma rede social das normais) 
Fátima está na mesma, não parecem passar os dias por ela. Nem os meses, tirando o do Natal, evidentemente. O Burger King informa-nos que é desde mil novecentos e cinquenta e quatro - e a gente acredita - numa iluminação em branco puro mas que lembra os cafés de estrada americanos. Aqueles dos filmes em que as portas têm sempre algum penduricalho que fica a tilintar, vocês percebem. (não me esqueci que estamos a brincar às redes sociais) 
Já a loja de vestidos de noite está fechada, bem como o restaurante Viva Maria e a Clinica Dentaria Sorriso Branquinho. Podemos então especificar, sem medo, que Fátima repousa em paz e em toda a sua extensão de, segundo pude apurar, setenta e um vírgula vinte e nove quilómetros quadrados. Nada mal, sim Senhora.

Agora não sei se vou ter likes, mas acho que não dá para tanto. Portanto se gostaram da minha publicação, paciência, podem ficar aí sem fazer nada, sossegadinhos a repousar dentro de toda essa beleza própria.

(mas obrigada, a sério, consegui distrair-me da baratinha que se passeava no chão do autocarro no sentido de trás para a frente, em Fátima, pois, em Fátima, só não tiro foto porque a barata fugiu do meu campo de visão além de que também vou um bocado enjoada) 

10/04/2024

Pensei pintar de azul (mas só pensei)

Enquanto lá fora anoitece devagarinho, as pessoas entram no autocarro e instalam-se. Olham para cima, focando o rebordo da prateleira para a bagagem leve, e consultam o número atribuído ao lugar. Algumas duvidam, outras enganam-se, poucas perguntam. Estamos em Portugal, mas muitos são estrangeiros. Espanhois, brasileiros, russos ou talvez ucranianos. O azul cinza do céu esvai-se num rosa escarlate ao meu lado direito. Como se lhe doesse morrer o dia. Saímos por fim com catorze minutos de atraso. Mas nesta rota é normal, não sei porquê. A mulher de cabelo pintado de roxo vai sentada do outro lado da coxia e prepara-se para dormir. Sei isso porque enfiada no seu braço vinha a entrar uma almofada em forma de C da mesma cor do cabelo. Assim, toda combinada, a mulher de cabelo roxo vai dormir um soninho bem bom. Aposto.

26/03/2024

O fígado ainda melhor e a idade metabólica ninguém me dá

O livro coreano que estou a ler por interesse tem um erro de revisão de texto na página 10 e outro de contas 59 páginas depois. Estou a decorar isto, porque quando escrever à editora a mencionar os erros para o caso de pretenderem corrigi-los numa próxima edição, não preciso de ir à procura deles.

Porém, continuarei a leitura. Não podendo levar o grande monte de moléculas de que sou feita à Coreia, nem do Sul e muito menos do Norte, viajo assim, no sofázinho, no comboio ou enquanto espero pela consulta da nutricionista, que achou excelentes os meus resultados e deu-me até os parabéns e um abraço. Ah, sim, sim.

20/03/2024

O melhor são as séries da televisão

A Adília Lopes escreveu, em agosto de 2014, que detesta o paradoxo do gato de Schrodinger. Exatamente ao contrário de mim. O que eu não gosto é da interpretação errada que se faz do paradoxo do gato de Schrodinger. Diz-se que a curiosidade matou o gato, mas sem se saber o que é o paradoxo. 
E também escrevo que, se dezoito por cento de pessoas se inteirasse muito mais da ciência e das questões fundamentais da vida e menos dos respetivos umbigos, não apostava no ódio e na destruição. Valores que eu, pessoalmente, desprezo.
Espero que isto esteja a milhas da Adília Lopes.
É bastante bom ter um blogue e escrever o que quiser. Mesmo temas assim todos confusos, que parecem desprovidos de nexo e tipo isso. 

08/03/2024

Coisinha

Não sei mas 
Se eu disser
Ao meu lado vai um preto lindo
Estou a ser racista
Se eu disser
Ao meu lado vai um homem lindo
Estou a ser sexista
Se eu disser 
Ao meu lado vai uma pessoa linda 
Estou a ser pessoista
Se eu disser
Ao meu lado vai algo lindo 
Estou finalmente a ser (quase) inclusiva
Só fica de fora o nada e eu
Estou a ser 
nada.
Quer dizer, 
que linda estou a ser.

E está calorzinho com o aquecimento ligado

Tenho um gato quase todo preto e enrolado no colo, tenho um livro novinho a ler com a lombada pintada em azul, tenho o cabelo pintado mas não de azul (como devia), e sim castanhinho.
Tenho o estômago a guinchar de fome, tenho oito quilos a mais, tenho um trabalho do espaço dois mil e vinte e quatro para entregar às onze horas, toma lá onze horas. 
Tenho medo do vizinho novo que põe ameaças nas caixas do correio, tenho duas filhas com olhos grandes e todas grandes, são duas ou muitas, também tenho amor pelas flores e pelo veado que na segunda-feira pela manhã comia erva do chão que eu quase pisava e tenho
o livro de coutos do mia conto para entregar na Biblioteca. 
(penso que ele não se importa) 

18/02/2024

Então e hoje?

 


Saudades da câmara melhorzinha (que foi roubada e já não se fabrica daquelas). É que os telemóveis sinceramente. É assim muito ao longe, bem mauzinho. Mas enfim, pelo menos percebe-se que não se trata de gatinhos.

17/02/2024

Da velhinha série o que vês da tua janela e assim


Mas não se compreende o prémio: uma pessoa entra e sente-se no balcão do talho ou no bloco operatório. E depois a pessoa senta-se, pronto. 

15/02/2024

António Arnaut

Comecei a ler Ken Follet depois de Domingos Amaral. Com um desconhecido Mia Couto pelo entremeio. Que é uma espécie de tempero, dar um tonzinho, puxar ao surreal.
Entrei no ano a optar por isto assim muito novo: dispensar a posse de livros, porém lendo-os. Então pus-me, num húmido sábado de janeiro, a caminho da pequena biblioteca municipal. Ela recebeu-me com as portas envidraçadas do estilo braços abertos, amplos, envolvendo-me logo naquele tanto silêncio. Ao balcão eu disse o nome e a idade, mostrei identificação. Daí sorriram-me e deram-me sins e podes. Também um cartão de papel grosso, um número lá manuscrito e o meu nome. Próprio.
Percorri o espaço pontuado de alusões ao conterrâneo que, em tempos, fez obra digna de conferir nome à pequena biblioteca. Ali como que a cuidar dos livros, do seu repouso entre leituras. Reparei que a linha de saramagos tem os exemplares muito manuseados, embora não tanto como os da linha de josés rodrigues dos santos. Esses mal se teriam de pé não fosse ampararem-se uns aos outros.
E então descobri o que não esperava: a liberdade de trazer todos os livros que eu quisesse (num máximo de seis... de cada vez), autores que nunca comprei mas queria experimentar. Todas as possibilidades, quer dizer, os tais sins, os podes, sem amarras com, um, orçamento disponível e, dois, espaço nas prateleiras. Estou completamente radiante! Trouxe apenas três porque sei da minha lentidão. Portanto agora passeio os "meus" livros etiquetados de códigos cifrados, identificativos de prateleiras, secções, como se orgulhosos do seu lugar, entre Lisboa e Coimbra, dos arredores de uma para os arrabaldes da outra. Estes livros não enjoam no tal do flixbus nem se assustam com as travagens e as pressas, conhecem o chilrear de todos os pássaros de lá naturais, o cheiro das lareiras no inverno e, acredito, o florir das acácias mimosas que, este ano, veio mesmo no seu tempo.

21/01/2024

Os apitos da dona eletrónica

Amadurecida há que tempos na insónia orientada a sul, desejei encharcar-me numa belíssima laranja de mesa (a explicação colhida em Que pressa é essa, João Vaz de Carvalho). O inverno, ao invés, aconchegando-se em parte na escuridão, entrega os silêncios gelados entre as zero e as sete.
Sem saber, tínhamos a comida estragada por uma trovoada à deriva, talvez nomeada, também capaz de agitar o eucaliptal muito senhor em projeto de pasta e de papel assinado. 
O meu problema não é a saudinha, ou sequer o dinheiro. O meu problema é pequenininho. 

19/01/2024

Círculos

Um dia ficarei só para os livros. Abandonarei o horário, e portanto os atrasos de vida, deixarei de ouvir o sino da igreja (que foi entretanto reparado). E de circular pela chuva ou almoçar mais cedo. Um dia serei essencialmente simples. Talvez escreva antes ou depois de jantar, não pretendendo resolver os problemas do prédio.
Mas por enquanto são sete e meia e, ao fundo da rua onde trabalho, há um café. Dentro, o ecrã televisivo ocupa uma grande parede e passa, em círculos, insufladas, as notícias mais chocantes dos últimos dias. À saída, com a boca morna do café quente, antes de enfiar a cabeça na chuvinha que se ouve cair na rua, podemos tornar a esfregar os sapatos no capacho exausto. 

03/01/2024

Nossa! os três pastorinhos

Em Fátima, na rua onde circula este autocarro, há iluminações de Natal que brilham contra o negro da noite de janeiro. Têm a forma de um ondulado substancialmente vertical, encimado por uma estrela e acolhendo nas suas concavidades três bolas que, lentamente, mudam de cor. Olhando-as por entre os bocejos que me saem do sono, ponho-me a adivinhar o caderno de encargos emitido pelos serviços da câmara municipal e que o designer cumpriu lindamente: algo assim alusivo ao lugar, compreende?

(e fotografei um caso que passava por lilás, passava, passava)